Perfil do produtor de Synthwave Jacob Calta

Autor do contato

Jacob Calta é um produtor de synthwave que cria músicas em camadas e multifacetadas que se baseiam amplamente em vários gêneros musicais diferentes para gerar imagens fortes nas mentes de seus ouvintes. Conversei com ele sobre como começou sua paixão pela música, como ele cria novas músicas e o que ele pensa sobre os prós e contras da cena synthwave como ela está agora.

Karl Magi: Como foi despertada sua paixão por fazer música?

Jacob Calta: Minha paixão por fazer música foi despertada no início do ensino médio. Tive alguns programas de TV para crianças que gostei durante a escola primária e um deles foi o Thomas The Tank Engine & Friends . Lembro-me muito bem da música escrita pelos compositores da série Mike O'Donnell e Junior Campbell, a ponto de dizer que eles usaram um Roland Jupiter 6 e um Prophet 2000 para o show.

Um dia, abri meu MacBook fornecido pela escola e comecei a transcrever essas músicas no GarageBand. A partir daí, comecei a explorar todas as avenidas da música; jazz, música clássica, rock, metal e eletrônica, entre outros. Na verdade, eu tinha um interesse maior na música clássica desde o início. Ainda tenho interesse agora, então tento escrever pequenas peças na forma clássica, adoraria ter uma sinfonia que escrevi em algum momento e tenho idéias para uma ópera que ainda não escrevi.

KM: Quando se trata de música synthwave, quais são os elementos temáticos e musicais que o atraíram?

JC: O Synthwave como um gênero me atraiu não necessariamente pela cultura, mas pelos próprios sons. Os timbres dos sintetizadores analógicos, os sulcos estabelecidos; tudo realmente me levou para uma variedade de mundos iluminados por neon na minha cabeça. Como compositor, ao ouvir esses sons incríveis reunidos em vermes após vermes, quase hipnotiza você até certo ponto.

KM: Conte-me sobre os músicos, artistas, cineastas e autores de quem você tira inspiração criativa.

JC: Minhas principais inspirações são os compositores Bernard Herrmann, John Barry, Lalo Schifrin, Stelvio Cipriani, Fabio Frizzi, Isao Tomita, John Carpenter e Claudio Simonetti. Eu cito essas pessoas, pois não apenas aprecio imensamente a música deles, mas o trabalho deles influencia diretamente minha escrita. Herrmann usa tons inteiros para se mover entre acordes, assim como eu. Schifrin toca com ritmos sincopados de uma certa maneira, assim como eu. Eu nunca tenho medo de admitir ter influências explícitas, pois acho que a execução de misturar diferentes estilos e idéias produz resultados originais, mesmo que você possa identificar essas influências em motivos específicos e progressões de acordes.

KM: Em geral, como você cria novas músicas desde o início até a faixa finalizada?

JC: Quando se trata de criar uma peça, ela realmente começa com uma progressão de acordes ou um ritmo. Cheguei a um ponto em que deixei a inspiração surgir naturalmente, só escrevo quando me sinto compelido a fazer, então, depois que tenho alguns acordes e um ritmo, saio de lá. Eu sempre gosto de experimentar misturas de gêneros diferentes. Muitas vezes, os sintetizadores chiptune encontram seu caminho nas minhas peças. Eu escrevi um artigo sobre o ambiente no final do ano passado e me sinto mais inclinado às ondas de vapor do que qualquer outra coisa. Um sintetizador Theremin que eu fiz se tornou quase um grampo do meu trabalho ultimamente. Mais recentemente, comecei a empregar um saxofone sintetizador em um projeto no qual estou trabalhando. Há algo a ser dito sobre o ecletismo no que diz respeito ao estilo, então eu sempre gosto de mexer entre composições, timbres diferentes ou um novo motivo.

KM: Conte-me sobre os projetos atuais em que você está trabalhando agora.

JC: No momento, tenho dois projetos em andamento. O mais recente são os meus esforços para fazer um LP de estréia adequado. Eu estava pensando que era um disco de verão. Quando o ByteMapper (um ótimo artista) escutou a faixa que planejava abrir, brinquei: "discos como esses são provavelmente um centavo a uma dúzia". Eu acho que o que vai diferenciar será a minha ênfase no noturno.

A abertura é chamada Sunset e eu sinto que o que quero fazer com isso é criar impressões da vida noturna na praia. Pessoas fazendo amor, o estranho surfista da noite; pequenas peças de personagens que criam uma imagem maior. Eu sinto que esse pode ser um disco mais sensual do que eu estou acostumado, pois quero levá-lo em uma direção de ondas espaciais e de sonho e sempre achei algo atraente sobre a vida à beira-mar. É algo que atualmente estou explorando até certo ponto em alguns roteiros que estou escrevendo.

O segundo é uma partitura musical para um filme chamado Portals, dirigido por Bobby Castro, um cineasta independente na Califórnia. Bobby e eu estamos abordando o projeto no que denominamos "estilo italiano", o que significa que eu escrevo a música e ele faz isso como achar melhor na área de edição. Trabalhar com ele tem sido uma explosão, já que eu só marquei projetos escolares e meu filme no colegial, para ter um filme dessa compostura, inclinando-se para o gênero italiano de cinema que acho tão terrivelmente convincente. não poderia ter imaginado anos atrás.

KM: Para onde você quer seguir sua carreira musical?

JC: Meu jogo final é realmente me tornar um cineasta. Estou escrevendo vários roteiros e freqüentando a faculdade para me especializar em estudos de cinema. Também sou ativo como revisor no Twitter. Eu meio que não direi Film Twitter, apenas porque tenho o polegar em muitas tortas; Eu converso com qualquer pessoa disposta a conversar. Pessoas que são explicitamente sobre cinema cult, Índias, mainstream, coisas obscuras etc; são todas as pessoas com quem vou conversar e até receber feedback e dar feedback em relação ao nosso trabalho.

No entanto, a música ainda terá um papel importante, já que eu tenho um amigo que faz filmes interessados ​​em me fazer pontuar seu próximo projeto e acho que a música é uma ótima maneira de me manter saudável. Quando não conseguia fazer um curta, fiz música. É uma saída criativa como nenhuma outra. Embora minha "carreira" seja mais a de um hobby, eu quero lançar algo regularmente, pelo menos uma vez por ano. Talvez seja um EP, talvez alguns singles ou, possivelmente, eu possa fazer um LP completo uma vez por ano. Vou ter que esperar e ver o que o futuro reserva.

KM: Conte-me sua opinião sobre a música synthwave como está agora. Quais são os prós e os contras como você os vê?

JC: O Synthwave é um gênero estranho, pois acho que existe como sua própria entidade, com suas próprias idéias e cultura, mas também se tornou uma porta de entrada massiva para a música dos anos 80. Para cada vez que iniciei o Bandcamp e participei de um EP do Alpha Chrome Yayo, e para cada edição da SR Synth Weekly que assisto, sinto-me igualmente atraído pelo trabalho de Eurythmics, Wang Chung, Jan Hammer e artistas vocais. como Michael Jackson e David Bowie.

Os profissionais de um gênero como esse são que a nostalgia não é inteiramente vaga. Eu acabei de terminar o ensino médio, mas imagino que muitos produtores nasceram ao mesmo tempo em que estavam recebendo facefuls e earfuls da MTV e eletrônica de nível internacional como Vangelis e Jarre. Talvez nem diretamente nos anos 80, mas em um momento em que a música dos anos 80 ainda estava em forte rotação. Não é como as pessoas da minha geração que assistem Stranger Things e pensam que conhecem os anos 80 como as costas da mão.

O que eu gosto sobre o synthwave é que ele cria um tipo de mundo incorporado nos anos 80, mas ainda há espaço para experimentação. Eu acho que a fusão é o futuro do gênero. Temos caras adicionando guitarras, saxofones e misturando-se com outros gêneros. Eu mesmo fiz isso com o chiptune. Eu não ficaria surpreso se pegássemos garotos ou garotas pegando os timbres da sintetização dos anos 80 e tentando escrever material antigo no estilo Orbital ou Aphex Twin.

Eu acho que o único golpe é a saturação. Quero dizer, eu gosto de uma grande cena de synthwave feliz tanto quanto do próximo cara, mas o doce Jesus tem muitos artistas por aí! É um pouco mais fácil quando as coisas são divididas em gêneros de nicho dentro desse gênero, como dreamwave e Outrun etc; Eu ainda acredito que o pico de ondas sintéticas estará batendo em nossas portas, e quem o fizer será o que entrar no gênero não apenas pela estética ou pelo som, mas com uma clara visão artística para cada projeto. Se você tem um conceito e o serve ao máximo, tudo o resto será resolvido a partir de então.

Eu posso ver isso em Levinsky, especialmente depois do Electra Complex . Eu posso ver isso com Byte, especialmente após o EP de Winter's Veil . Não vou bater em nenhum dos caras menores, pois não apenas sou um deles, mas há outros que estão fazendo ligas de trabalho fenomenais acima de mim. Um bom exemplo foi o VA7, que trouxe um machado e um estilo de composição neobarroco ao seu trabalho.

Uma coisa importante para muitos desses pequenos produtores é canalizar sua energia para aquele projeto em que o estilo serve uma substância maior. Se essa substância é uma história ou uma impressão depende deles. No entanto, acho que não vi uma cena musical em que todos se reuniram com todos da mesma maneira. Eu tento curar o synthwave juntamente com o chiptune, o vaporwave e a música da velha escola dos anos 80, e eu já mencionei o SR Synth Weekly, que eu já vi alguma rotação em mim. Se essa cena continua a prosperar, é exclusivamente porque somos uma cena que terá tempo para conversar e apoiar um ao outro.

KM: No que diz respeito ao burnout criativo, o que você faz para evitar evitá-lo?

JC: Eu evito queimar, voltando minha atenção para o cinema ou pulando de gênero. No Bandcamp, eu tenho uma compilação dos meus esforços de synthwave no ensino médio, mas também tenho um EP de hip-hop lo-fi que escrevi e um single explicitamente chiptune. Nenhum compositor deve se cercar. Experimente coisas novas, seja aventureiro. Ouso qualquer produtor de synthwave de escrever uma composição clássica ou um número de jazz. Talvez seja na forma de sonata, talvez seja a bossa nova, mas escreva algo que esteja longe do seu próprio som. É como um sopro de frescura e, como diz o velho ditado, a variedade é o tempero da vida.

Etiquetas:  viagem saúde filosofia-religião 

Artigos Interessantes

add